Opinião - "Um Pedacinho de Céu" de Julia Quinn - Edições ASA



Sinopse

Quem conhece Honoria Smythe-Smith sabe que, para lá das suas inúmeras qualidades, a jovem tem algumas… enfim… particularidades, nomeadamente:
1. É uma entusiástica (e péssima!) violinista 
2. Fica fora de si sempre que alguém diz "Bicho" 
3. NÃO está apaixonada (não está!) pelo melhor amigo do irmão.

Já Marcus Holroyd, conde de Chatteris, é o seu oposto. É um rapaz tímido e responsável, mais conhecido por:
1. Ser lamentavelmente dado a entorses do tornozelo 
2. Carregar o fardo de ser um dos solteirões mais cobiçados
3. NÃO estar (de todo!) apaixonado pela irmã do melhor amigo 

  Juntos…
1.São grandes amigos
2. Comem quantidades escandalosas de bolo de chocolate 
3. Sobrevivem ao pior espetáculo musical do mundo

  Julia Quinn tem para eles planos que incluem…
1. Uma febre mortífera 
2. Momentos (muito!) embaraçosos
3. Um final desesperadamente romântico


Opinião

Terminei este livro há coisa de 3 dias e ainda hoje me consigo rir das peripécias que me foram narradas. Nunca tinha lido nada de Julia Quinn e confesso que apesar de sempre ter lido maravilhas sobre a sua escrita e sentido de humor , sempre achei que por ser ficção histórica me iria aborrecer, no entanto, devo dizer-vos que este livro foi uma grande surpresa.
Poderia começar por falar da capa que não se consegue adjetivar com outra palavra que não seja "fofinha" porque de facto é uma capa muito amorosa, cheia de pormenores que acabam por se fazer notar durante a estória, achei muito interessante e importante que a editora se tivesse preocupado com coisas tão minimalistas e que acabaram por emoldurar o livro com elementos que lhe são tão intrínsecos, nomeadamente as notas musicais.
Contrariamente ao que esperava, Julia Quinn apresenta um narrativa sem qualquer "snobicidade", isto é, apesar de se passar numa época anterior à nossa, esta história contém expressões e trejeitos que usámos diariamente e para meu grande espanto a frieza que eu sempre senti nestes romances por haver um tratamento entre personagens através da invocação do "lady, você, milord" não se verificou e por si só já me fez gostar mais do livro.
Honoria Smythe-Smith precisa de se casar, mas aparentemente toda a gente foge a sete pés antes de sequer haver uma proposta. Será por ser uma péssima violinista que se encontra a participar num quarteto que toca horrivelmente mal ou será que haverá alguma coisa por trás de todas estas desistências? Bem, convido-vos a ler para saber! Confesso que me identifiquem em parte com esta personagem, principalmente por ela ter uma ligação tão forte com a família que não permite que ninguém abale a maior tradição desta, também não posso dizer que as artimanhas que ela foi realizando ali pelas festarolas do livro não seria de todo uma ideia que possivelmente também me passaria pela cabeça, mas devo dizer-vos que na sua matreirice, esta personagem é deveras uma mulher de armas ou devo antes dizer...de pá em punho.
Marcus teria sido a minha personagem favorita não fosse a sua constante indecisão em relação a avançar ou recuar na concretização do romance, se fosse mais altruísta e assertivo e não se cingisse apenas a promessas que fez no passado (inicialmente) acho que dificilmente encontraria um personagem masculino que me fosse tão querido e acima de tudo me fizesse rir a bandeiras despregadas. 
Adorei a química e a simbiose que estas personagens tinham entre si e acima de tudo adoro o facto de apesar de nem se aperceberem dos seus verdadeiros sentimentos, o destino se encarregasse de os encaminhar.
Achei a história da "febre mortífera" ligeiramente exagerada, mas também fiquei surpreendida com a descrição hospitalar e pré-ambulatória, típica da época, a autora conseguiu realmente criar na minha cabeça uma imagem bastante visual de tudo o que estava a ser feito, o que por sua vez me fez sentir toda e qualquer emoção que as personagens assistentes foram experimentando durante esses momentos de aflição.
Lady Danbury, que nome tão sonante e que personagem tão marcante. A destemida tetra-tetra-tetra (...) tia de Marcus que com a sua bengala e a sua capacidade dedutiva brilhante foi imprimindo uma mudança de ritmo na narrativa e justificando todas as alterações de ambiente e da própria relação. 
Não posso dizer porém que tenha gostado da mãe da amiga Cecily, achei uma personagem completamente dispensável, até para secundária estava estupidamente chata. A típica mãe que pretende casar a filha com qualquer um, desde que haja título, dinheiro e no fundo seja considerado um bom partido pela sociedade. Não gostei, não recomendo e sinceramente só tive vontade de entrar no livro e puxar-lhe as orelhas.
Relativamente ao final, esperava que o epilogo desse um salto ligeiramente maior para que se pudesse ter um vislumbre sobre o que estará por vir, afinal, "Um pedacinho de céu" é apenas o primeiro livro de um quarteto e eu estou extremamente curiosa para saber mais sobre esta família e este mundo que comecei a explorar finalmente com gosto.
Recomendo para quem gosta daquele romancezinho doce que não aborrece e é capaz de fazer o leitor rir às gargalhadas e ao mesmo tempo ficar de coração apertadinho enquanto espera que tudo acabe pelo melhor.
Julia Quinn conquistou-me e mal posso esperar para voltar a lê-la.




Divulgação/Review - The Power*Babes Collection

Boa tarde Novelitos!

Ao longo da minha vida enquanto blogger e consumidora compulsiva de material de papelaria relacionado não só com o meu gosto pelos livros (marcadores), tenho vindo a tropeçar em algumas lojinhas e pessoas que me enchem a coleção não só de coisas bonitas, mas de amizades improváveis.
Numa das minhas tantas espreitadelas em blogues de outras meninas, acabei por dar de caras com a marca/lojinha da Babe Bichinho ( ou a Marta, para quem vai trocando algumas letras com ela) - The Power*Babe Collection - e nada curiosa como sou, acabei por ir explorando as plataformas online e como seria de esperar, fiquei encantada com o trabalho dela.



Mas afinal, o que podemos encontrar na The Power*Babe Collection?

A pergunta é simples, além de encontrarem o mais variado material de papelaria, como cadernos, postais, selos, marcadores e planners podem também contactar a Babe diretamente para tornarem o vosso produto o mais pessoal possível. Sim, a Babe é designer e poderá personalizar-vos alguns artigos. Todos os produtinhos apresentados são desenhados e feitos por ela, por isso, se procuram alguma fofura para as vossas vidas tenho a certeza que nesta lojinha se vão deparar com imensas coisas que vão fazer as delicias dos vossos olhos e que irão ser um bom upgrade para a vossa coleção.





















Como podem ver pela imagem do layout da lojinha na plataforma tictail, o site é de fácil acesso e todos os produtos estão categorizados o que facilita imenso a vossa pesquisa e vos irá direcionar para o que pretendem. Chamo a vossa atenção para a o separador Freebies onde poderão encontrar algum material em formato exclusivamente digital para puderem imprimir e usufruírem de algumas propostas desta menina.

Como já devem estar a adivinhar, eu realizei uma primeira compra surpresa na loja sem dizer nada à Babe e mais tarde realizei uma segunda encomenda um bocadinho mais recheada para vos mostrar.


A minha primeira encomenda veio neste embrulho super fofinho que vinha dentro de um envelope com um cartão para evitar que ocorresse algum acidente no transporte. Gostei deste pormenor porque demonstra que também há bastante preocupação em fazer com que o produto chegue direitinho às mãos dos clientes.
Como podem ver trazia um autocolante com o logótipo da loja e um bilhetinho muito querido direcionado a mim com a oferta de um descontinho numa próxima compra, mais uma nota positiva para este serviço porque cria uma proximidade e empatia com o cliente independentemente de saber quem está a comprar ou não.


Perto da altura do Dia da Mãe, tinha visto que foi lançada uma linha exclusiva para a festividade e não consegui de forma alguma resistir a esta raposinha, aliás, devo dizer-vos que da coleção (que vão ver neste post) de marcadores que adquiri nesta lojinha este continua a ser o meu favorito. Acho que há um cuidado em imprimir não só a fofura das personagens, mas também uma delicadeza nos pequenos pormenores que servem de background às quotes e aos bichinhos que vão ilustrando cada uma das linhas criadas por ela. Nota positivíssima para o material usado para forrar/plastificar o marcador porque o torna extremamente resistente, não dobra, não rasga e acima de tudo aguenta-se dentro dos livros mais extensos.

Na segunda encomenda, já depois de ter revelado que tinha realizado a primeira, nem vos digo nem vos conto a surpresa que tive, aliás, prefiro mostrar-vos.


A minha segunda encomenda já era maiorzinha, aliás, achei-a maiorzinha demais porque tinha acordado apenas a compra e envio de 1 pack de marcadores com a oferta de um segundo pack para fazer divulgação e vos trazer a minha opinião sincera e de repente chega-me a casa um envelopezinho ( embrulhado da mesma forma que o anterior, com cartão e envelope exteriores) com imensas âncoras desenhadas, uma etiqueta da linha do ursinho Teddy Sailor e mais um cartãozinho que dizia que tinha sido juntada mais uma pequena (grande) surpresa.


Este foi o pack que eu comprei do Teddy Sailor, quem me conhece sabe que adoro azul e era impossível resistir a este pack carregado de azul, lemes e um ursinho super querido a encabeçar o marcador principal. Mais uma vez é plastificado, resistente e neste caso vem com duas frases motivacionais.


O segundo packzinho do envelope é este do Panda King  que apesar de não ser plastificado tem outros apontamentos que o tornam bastante interessante. As coroas do marcador sem panda estão pintadas com um material bastante brilhante e ligeiramente rugoso o que lhes confere não só brilho como também textura. aliás os próprios marcadores são num material com alguma textura. A impressão continua a ser perfeita e o personagem bastante engraçado.


 A grande surpresa da encomenda foram mesmo estes dois marcadores da linha "Be a unicorn" que não estava nada à espera de receber e que tenho usado e abusado deles. O marcador rectangular tem uma espécie de receita/caminho para a felicidade do leitor composto pelas palavras: Dream, read, believe everyday. Achei diferente, mostrou outro lado dela porque passou do uso de quotes para pequenos apontamentos que o leitor vai seguindo visualmente até encontrar a mensagem "escondida" Adoro as cores, transmitem-me uma certa serenidade e ao mesmo tempo são cores alegres quase divertidas como se o marcador estivesse a pedir que nos fossemos divertir e aproveitar uma leitura que vai começar. Relativamente ao marcador em forma de unicórnio posso dizer-vos que até tenho medo de o utilizar, apesar de estar plastificado e ser claramente resistente, tenho medo de o estragar, é uma coisa tão fofinha e tem um tamanho bastante considerável para marcador de livro em termos de largura. Para quem gosta de unicórnios, este produto vai certamente agradar, tenho tirado algumas fotos bem engraçadas com um unicórniozito a espreitar pelas páginas do meu livro!


E o resultado desta parceria/compra está aqui, uma valente coleção de marcadores! Ainda não os tenho todos, mas certamente que não me irão escapar os restantes!

Tenho a dizer-vos que dou uma nota bastante positiva, não só aos produtos como ao atendimento personalizado que a Babe proporcionou ao longo das conversas que tivemos. Nota-se que existe muito amor naquilo que faz, que deposita muito carinho em cada um dos seus designs e acima de tudo em cada pacotinho que envia para o cliente. Achei muito querido que se preocupasse não só em criar um embrulho bonito, mas também em deixar um recadinho para quem apostou no seu trabalho.

 Poderão encontrar a lojinha no facebook, através do blogue da marca ou então numa das plataformas disponibilizadas para efectuarem a vossa encomenda (mesmo que sejam do estrangeiro, podem fazê-lo sem problema).

Deixo-vos aqui os links para que possam espreitar, como sempre basta clicar:




Para quem está fora de Portugal, deixo-vos ainda o link para as duas plataformas que vos permitem encomendar coisinhas à Babe. Neste caso não poderão personalizar os vossos produtos, mas poderão encontrar outro tipo de coisinhas, como almofadas, capas de telemóvel, canecas, t-shirts e muito mais:




Quero só terminar este postzinho com um agradecimento à Babe por ter tido paciência e acima de tudo por ter permitido que este se realizasse de uma forma tão recheada como a que podem ver!
Muito Obrigada pela oportunidade e por todo o carinho depositado!

Espero que vos tenha criado o bichinho da curiosidade e que se sintam tentados a ir visitar a lojinha!

Beijinho e até um próximo post!

Opinião - "A filha das estrelas" de Nora Roberts- Edições Chá das Cinco - Saída de Emergência




Sinopse

A bela e talentosa Emma vive num mundo de luxo e privilégio. Mas está prestes a descobrir que a fama não a pode proteger quando alguém deseja a sua morte. Salva de uma infância infeliz pelo pai, uma estrela pop em ascensão, a jovem cresce rodeada de amor, imersa no mundo da música, e com uma forte ligação à madrasta e ao irmão mais novo. Mas quando tudo parecia perfeito, dá-se a tragédia: o irmão morre numa tentativa de rapto. Após anos de dor e culpa, e de ser perseguida pela imprensa, Emma começa a sentir-se capaz de finalmente largar o passado. Determinada e confiante, atreve-se a começar uma carreira e até a apaixonar-se. Mas o homem com quem pretende casar-se não é quem parece. E o que fazer quando os segredos negros que esconde na sua mente são segredos que alguém está disposto a tudo para que não vejam a luz do dia?


Opinião

Nora Roberts é uma autora com a qual eu tenho uma relação de amor-ódio pura, tanto há livros que eu não suporto como há outros que eu vou mantendo na minha estante e até no meu top de favoritos, "Filha das estrelas" entrou diretamente para o meu top assim que o terminei.
Adoro esta nova imagem que a Edições Chá das Cinco tem impresso nos livros que vai lançando recentemente da autora, acho que tem captado o olhar de mais leitores, talvez pela beleza das capas alguns leitores tenham decidido dar oportunidade a esta senhora da literatura internacional. Confesso que não acho que esta capa se enquadre na história que li, no entanto, não posso deixar de dizer que tanto a capa como a contracapa são maravilhosas e a lombada fica muito bem na estante dando-lhe um ar de leveza conferido pela existência de várias borboletas ao longo da mesma.
"Filha das estrelas" vem trazer-nos uma das facetas mais conhecidas e melhor exploradas pela autora, uma drama familiar que se vai transformando aos poucos num romance com uma pitada de thriller o que, a meu ver, confere à narrativa uma certa versatilidade que vai sendo apresentada e explorada ao máximo ao longo das páginas do livro.
O livro está dividido em duas partes: a infância conturbada de Emma e a agitação do seu presente. Esta divisão acaba por dar ao leitor uma visão periférica sobre a narrativa, isto é, através dela somos capazes de perceber melhor a protagonista e mais tarde o seu perseguidor o que acaba por ser um ponto positivo já recorrente da escrita de Nora Roberts.
A violência na infância tem um papel muito importante na construção da vida e personalidade de Emma, principalmente quando esta leva a que tenha de se mudar de casa da mãe para a casa do seu pai. A busca de um lugar seguro, os constantes sustos provocados por pesadelos ou traumas de infância acabaram por tornar o livro muito empático, acho que posso dizer que qualquer pessoa se poderá identificar com Emma e sentir uma certa solidariedade em relação ao que sente e à forma como reage a todas a situações em que é colocada. 
A minha personagem favorita é sem dúvida Johnno, o grande amigo do pai de Emma. Talvez por ser tão naturalmente boa pessoa ou tentar dar aquela imagem de durão quando sabemos perfeitamente que é o coração mais mole da banda e quem mais tenta zelar pelo bem estar de Emma.
A faceta vedeta da protagonista não me agradou muito, mas entendo a razão pela qual foi explorada, afinal era necessário haver uma ponte entre o despertar da fama de Emma e o início das ameaças a que esta está sujeita. 
A escrita da autora é fluída como já nos tem habituado, moderadamente descritiva e com recurso a pequenos pormenores que vão fazendo sempre parte do grande mistério final.
Estranhei a ausência do foco em romance habitual, até porque não se trata de um livro do seu pseudónimo de policiais (J.D.Robb), mas não penso que o livro tenha perdido nada com esta decisão, aliás, tornou-o mais interessante e muito mais aprofundado no que toca à construção e exploração das personagens.
Recheado de personagens fortes como uma história de vida a contar e um enredo um tanto ou quanto previsível, mas que apesar dessa pequena falha acaba por não só entreter mas deliciar os leitores.